.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. ANGOLA: CRISE CÂMBIAL

. ANGOLA: A DIVERSIFICAÇÃO ...

. ANGOLA: Tributação do Sec...

. ANGOLA: ESTADO PATRIMONIA...

. ANGOLA. Regime Jurídico d...

. ANGOLA. Regime Jurídico d...

. ANGOLA. Regime Jurídico d...

. ANGOLA. Regime Jurídico d...

. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA...

. ANGOLA: INDEPENDÊNCIA POL...

.arquivos

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Junho 2015

. Dezembro 2014

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

blogs SAPO

.subscrever feeds

Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2016

ANGOLA: CRISE CÂMBIAL

Por ELISEU GONÇALVES FRANCISCO*

Linkedin: pt.linkedin.com/pub/eliseu-gonçalves/67/ba3/256/

Email: meuadvogado@outlook.pt

ANGOLA: CRISE CÂMBIAL

 

A crise cambial que Angola atravessa é incompatível com as necessidades sociais dos seus cidadãos devido a fraca, parca e incipiente produção interna face a dependência às importações de bens de primeira necessidade.

 

Numa breve análise sobre o desempenho da economia Angolana no pretérito, os erros cometidos, os enganos consentidos, os vários sinais de desespero ou sustos em razão de várias crises provocadas pela dependência ao petróleo, é hora da sociedade civil, o partido no poder e os partidos da oposição com assento ou não no parlamento, darem espaço de diálogo institucional construtivo, livre de arrogância e sério para que se apontem soluções consensuais que abram caminhos a diversificação da economia com propósito de Angola trilhar uma sustentabilidade económica e financeira duradoura.

 

A dependência ao petróleo, ao longo dos anos, mostrou as consequências de um país (Angola) possuidor e exportador de tal recurso que não dispõe dum sector produtivo de bens de primeira necessidade capaz de satisfazer a procura ou demanda interna. E, juntando-se a essa incapacidade, a pouca produção interna, perde competitividade face a produção externa, fazendo com que, seja mais barato importar que produzir internamente.

 

Eu, que sigo atentamente as diversas posições ou opiniões, se Angola não adoptar um plano ou uma estratégia séria sobre a diversificação económica e sobre a sustentabilidade orçamental e financeira pública, vai mergulhar na rota do mito da “atlântida”, será engolido por um oceano cujas águas terão origens desconhecidas, ou seja, não sabemos de onde virão e o que pode acontecer, atendendo a incerteza, ouso sem sombras de dúvidas dizer que não haverá salva-vidas suficientes ou que cheguem pra todos.

 

Os actores da sociedade civil, política e intelectual angolana, devem indagar, como é que Angola, abundante em recursos naturais minerais não renováveis (petróleo, diamantes, ferro, ouro, granitos, areias e muito mais), recursos naturais renováveis (flora), recursos hídricos, piscículos (marinhos e água doce), com terra fértil e com uma beleza natural (óptima para o fomento do turismo), não consegue alavancar sua economia, atingir grau de competitividade que possa nivelar os desequilíbrios económicos, financeiros e sociais. Esta divergência, abundância de recursos e falta de desenvolvimento económico, social e financeiro sustentável, persiste desde a independência de Angola. Porém, mesmo nos períodos da alta do petróleo, os angolanos não têm sabido aproveitar correta e honestamente os excedentes orçamentais e financeiros o que tem constituído um entrave ao desenvolvimento do país.

 

Por outra, passados 40 anos de independência, apesar do fardo herdado da guerra, não nos esqueçamos da paz que persiste desde o ano de 2002. Foi bom termos perdido a guerra, em razão desta perda, ganhamos a paz. Mas indaguemo-nos, que paz ganhou-se, sem sombras de dúvidas, ganhamos uma paz podre, doente e moribunda.

 

Muitos angolanos, que não presenciaram a guerra, continuam a alimentar e argumentar o discurso e dogmatismo da guerra, para mim, este pensamento é incompatível com o tipo de estado que Angola quer construir, moderno, livre, solidário, bem governado desenvolvido, próspero e democrático.

 

Na minha opinião, a falta de solidariedade, da boa governação, da impreparação governativa, de fazer oposição, de sentido de nação, na prática, traduz-se num falhanço do projecto angolano sob as aspirações da independência.

 

Tenha-se consciência de que todos angolanos estão a perder com este estado de coisas a que o nosso país está mergulhado.

 

Se não mudarmos o nosso caminho, choraremos.

publicado por lexangola às 09:32

link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Sus Dykes a 10 de Abril de 2016 às 12:18
Estou muito feliz em compartilhar esta grande notícia sobre um grande e poderoso Herbalist Odin Ordia que me curou desta doença mortal (HIV / AIDS e diabetes), eu sofria de doença por mais de 8 anos, Felizmente para mim eu estava navegando na Internet quando vi uma mulher depor sobre um homem poderoso e grande (Odin Ordia), que tem ajudado a curar muitos de doenças mal e por isso ela também mencionou que esse mesmo homem pode igualmente curar e curar qualquer doença com a medicina herbal, assim, sem desperdiçar mais vez que em contato com ele no e-mail, ela acrescentou ao depoimento sobre (odincurahiv@gmail.com) Expliquei todos os meus problemas com ele, ele então respondeu e e me aconselhou a não se preocupar que ele vai me ajudar a preparar um medicamento à base de plantas e ele vai enviá-lo para mim via correio. Ele também me deu instruções sobre como usar depois que eu comecei a sentir mudanças no meu corpo sistema, mais tarde eu fui ao hospital para consulta médica e para minha surpresa eu estava completamente curado. Estou muito feliz que eu estou seguro desta doença com a ajuda de DR. Odin Ordia. Pode chegar a mim pelo meu endereço de e-mail em susdykes@gmail.com

Comentar post

.links